Crimes relacionados a RPG!

sábado, 28 de março de 2009 às 23:06.

por Marco

Opressão Game, não!O QG não costuma copiar conteúdo de outros blogs ou sites, mas desta vez, devido a identificação do material com a nossa campanha “Opressão Game, não!” e com autorização do autor Rafael Portillo, trazemos na íntegra uma matéria postada no site Raopo, não deixe de tentar conscientizar os seus amigos e conversar sobre o assunto com pais que condenam RPGs ou qualquer outro tipo de jogo é super importante! Leia com atenção:

Durante alguns anos, jogadores de RPG tiveram que aturar programas sensacionalistas, sites gospel e pessoas desinformadas acusando-as de serem satanistas, por conta de noticias de crimes de assassinato que apontavam jogadores de RPG como culpados. Mas, passaram-se os anos, e nenhuma outra noticia foi dada, seja confirmando ou não a culpa de jogadores de RPG pelos crimes. Entretanto, o escritor e autor de RPG Marcelo Del Debbio, junto a Daemon Editora, buscou informações sobres os casos, e em conjunto com os autores dos blogs RPG Educ e Cortando a Pelicula, conseguiram informações dos crimes relacionados a RPG que estouraram na televisão. Vejam os resultados:

– TERESÓPOLIS
Em 14 e 20 de Novembro de 2000, na cidade de Teresópolis, RJ, duas garotas de 14, Iara dos Santos Silva, e 17, Fernanda Venâncio Ramos, anos foram estupradas, torturadas e estranguladas com um intervalo de seis dias entre os crimes. Sônia Ramos, 42, madrasta de Fernanda, a segunda vítima, levantou a suspeita de que as atrocidades pudessem estar ligadas ao jogo por pura ignorância e desespero, porque sua filha [a vitima] era jogadora de RPG e andava na companhia de outros garotos que jogavam GURPS e Vampiro [sua alegação se baseou no fato de que sua filha andava as voltas “com pessoas que se fantasiavam de vampiros”]. Inclusive a polícia chegou a prender um jogador de RPG, que não será identificado uma vez que o mesmo era inocente e não merece ter seu nome publicado, que passou quatro dias na cadeia por causa deste absurdo.

O verdadeiro assassino das garotas, HUMBERTO VENTURA DE OLIVEIRA, de 25 anos, confessou o crime 6 dias depois da prisão do RPGista. Ele era o jardineiro da casa, analfabeto, e nunca sequer passou perto de um livro de RPG. A imprensa irresponsável, foi muito rápida em divulgar versões fantasiosas sobre o “jogo da morte”, mas a publicação da confissão do jardineiro foi apenas uma nota, no final de uma página de jornal.

– OURO PRETO
No dia 10 de outubro de 2001, Aline Silveira Soares viajou do Espírito Santo com sua prima e alguns colegas para Ouro Preto para participar da “Festa do Doze”, que é uma espécie de Carnaval fora de hora entre as faculdades da região, com R$40,00 e a roupa do corpo para passar três dias. Dias depois, seu corpo nu fora encontrado em cima de uma lapide, em um cemitério da cidade.

Segundo o laudo, Aline consumiu drogas durante o dia anterior ao de sua morte. Esta informação foi confirmada por diversas testemunhas que também participavam da festa, em Ouro Preto [testemunhas que foram aparentemente ignoradas pelo delegado Adauto Corrêa após as investigações tomarem o rumo circence]. Aline não tinha dinheiro e acreditou que conseguiria fugir do traficante sem pagar pela droga que consumiu, mas no dia de sua morte [14 de Outubro de 2001], foi abordada pelo criminoso no caminho de volta para a república onde estava hospedada [o cemitério em questão fica exatamente no meio do trajeto entre o local da festa e a república]. Testemunhas [que também foram aparentemente ignoradas no inquérito oficial] disseram ter visto Aline conversar com um conhecido traficante da cidade na porta do cemitério algumas horas antes de sua morte.

De acordo com especialistas em crimes relacionados a drogas, Aline provavelmente teria se oferecido para ter relações sexuais com o traficante para pagar a dívida, pois as roupas da garota foram encontradas “cuidadosamente dobradas e dispostas ao lado do local do crime, sem nenhum indício de violência ou de coerção”. Aline tomou o cuidado de deixar suas roupas sobre uma das lápides, dobradas com a jaqueta por baixo, para que não sujassem.

Ainda segundo o laudo oficial da perícia técnica, durante a primeira facada que Aline recebeu, o corpo estava na posição acocorada, popularmente conhecida como “de quatro”. Segundo especialistas em crimes de estupro, o traficante provavelmente teria tentado obrigar Aline a realizar sexo anal, que possivelmente foi rejeitado pela garota, resultando no primeiro golpe com a faca. O traficante, tendo ferido Aline seriamente, não viu alternativa a não ser terminar de matá-la. Para disfarçar, o assassino colocou o corpo de Aline em posição deitada sobre a lápide [pelas fotos da perícia e rastros de sangue, pode-se atestar que o corpo foi movido após a sua morte] para tentar atrapalhar as investigações.

Quando o corpo foi encontrado, os policiais começaram as investigações pelos locais em que Aline se hospedou e em uma das repúblicas foram encontrados alguns livros de RPG, que o delegado, evangélico confesso, classificou como “material satanista”. A partir disto, um vereador oportunista chamado Bentinho Duarte viu nisso uma chance de se promover realizando terrorismo psicológico e, junto com o Promotor Fernando Martins [conhecido por ter tentado proibir a distribuições de jogos como Duke Nuken e Carmagedon], moveu ação contra as empresas Devir Livraria e Daemon editora tentando a proibição de 3 títulos [Vampiro: a Máscara, Gurps Illuminati e Demônios: a Divina Comédia].

Detalhe, 4 garotos chegaram a ser presos injustamente, que por suas vez não são jogadores de RPG [fato comprovado pela mãe da vítima em depoimento ao vivo na Rede Bandeirantes de TV].

– GUARAPARI
Polícia Civil do Espírito Santo prendeu, na noite de 12 de Maio de 2005, dois acusados pelo assassinato do aposentado Douglas Augusto Guedes, da mulher dele, a corretora de imóveis Heloísa Helena Andrade Guedes, e do filho do casal Tiago Guedes, em Guarapari. Os corpos dos três foram encontrados amarrados e deitados em camas no dia 5 de maio. Na mesma data, eles foram sepultados.

O delegado da Divisão de Homicídios de Guarapari, Alexandre Linconl, evangélico, disse ao Portal Terra que os assassinos MAYDERSON DE VARGAS MENDES, 21 anos, e RONALD RIBEIRO RODRIGUES, 22, confessaram que eles mataram a família motivados pelo jogo de RPG, mas essa “confissão” não ocorreu imediatamente após o crime.

O crime que Mayderson e Ronald cometeram é o de LATROCÍNIO QUALIFICADO E PREMEDITADO, ou seja, mataram para roubar de uma maneira cruel e sem dar chance de defesa às vítimas, com premeditação. Esse é um crime hediondo, sendo julgado e condenado diretamente por um juiz criminal. Ambos os acusados já tinham ficha criminal [respondendo processo por Porte ilegal de Arma].

O que o advogado de defesa da dupla estava fazendo era alegar que eles cometeram o crime influenciados pelo jogo e, com essa ação, tentar reverter o crime para Homicídio Simples, baseado no tal jogo que ninguém sabe o que é. Com isso, os assassinos iriam para um júri popular, que poderia ser muito bem influenciado por todo esse novo circo que a mídia sensacionalista armou e, jogando a culpa em cima do RPG, e possivelmente Mayderson e Ronald poderia no lugar de irem para presídios convencionais, irem realizar tratamentos psiquiatricos.

O que tem de ficar bem claro é o seguinte: os criminosos entraram na casa, apontaram armas para Tiago e sua família, doparam a família sob a mira do revólver, levaram o garoto até o caixa eletrônico onde roubaram R$ 4.000,00 de sua poupança e depois executaram friamente a família com tiros na cabeça, para não serem reconhecidos. A história do “RPG” só apareceu dois dias depois que os assassinos foram capturados pela polícia, sob orientação do advogado de defesa da dupla.

É bom lembrar, já que a mídia “esqueceu”, que, graças à intervenção da Daemon Editora e da conversa de Marcelo Del Debbio, escritor especialista em Role Playing Games, com o delegado de Guarapari ao vivo em uma entrevista na Rede Bandeirantes de TV, o advogado de defesa da dupla abandonou o caso, deixando os dois criminosos sem advogado à espera de um defensor público.

Com estes textos, podemos começar a nos defender dos três falsos “crimes do RPG”. Já está na hora destas informações serem passadas para jornalistas sérios que queiram nos ajudar a fazer a verdade aparecer.

Agradecemos o Rafael Portillo por autorizar a publicação da matéria e o parabenizados pela iniciativa, confira a versão original no Raopo, clicando aqui.

Marco abomina que falhas na educação das crianças sejam atribuídas a games e até outras mídias, como desenhos animados, filmes ou quadrinhos.

Categorias: Campanhas, Games. Tags: , .